Organizações lançam estudos sobre as atuais ameaças ao bioma Pantanal

Por: João Inácio Wenzel
Fonte: Secretaria Executiva do Formad
A publicação aborda de maneira crítica a problemática da soja, empreendimentos hidrelétricos, os planos de construção da hidrovia e outras ameaças à integridade do Pantanal

Dia 12 de novembro é o dia do Pantanal e no dia 14 comemora-se o dia do rio Paraguai. Este é o 15º aniversário de ações e festividades organizadas pelos movimentos que lutam pela preservação do pantanal, em Cáceres, MT com mística e show cultural à beira do rio. As atividades iniciam com a limpeza do rio Paraguai, realizada em parceria com diversas organizações da sociedade civil e de instituições governamentais. Neste ano foram retirados mais de 10 caminhões de lixo.

Sem título.pngRepresentantes de Organizações da sociedade civil do Brasil, Bolívia, Paraguai e Argentina realizaram um debate sobre as ameaças à integridade do Pantanal provocadas pelas interferências de ações humanas voltadas ao desenvolvimento econômico que destrói o equilíbrio ecológico e a biodiversidade. Dentre as principais ameaças estão as monocultura da soja, milho, algodão e cana-de-açúcar, a mineração, as hidrelétricas e a hidrovia.

Neste final de semana 120 representantes de entidades da sociedade civil, professores, produtores, polícia federal e ministério público realizam uma expedição de Cáceres ao Porto de Morrinhos e reserva Taiamã com o objetivo de se encantar com a vocação do rio Paraguai e do Pantanal, patrimônio mundial da humanidade.

“O Pantanal é parte do chamado sistema Paraguai-Paraná de zonas úmidas” que “fornecem serviços ecológicos fundamentais para a fauna, a flora e o bem estar de populações humanas”.

O Estudo foi realizado pela Fase – Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional – e o texto elaborado pelo pesquisador Sergio Schlesinger, com o apoio da Ecosystem Alliance. Para acessar o texto em PEF clique aqui.

 

Conteúdo relacionado

Usina Teles Pires: Justiça ordena parar e governo federal libera operação, com base em suspensão de segurança
Dossiê Abrasco: o grito contra o silêncio opressivo do agronegócio.
Encíclica papal aborda desigualdades na agricultura
Rio de Mato Grosso ganha data comemorativa
Covid-19: Porto Esperidião tem mais de 60% de óbitos de indígenas chiquitanos
Três problemas graves no Projeto de Lei aprovado pela Assembléia Legislativa de MT!
ALERTA SOBRE PL 17/2020 EM MT
Formad faz doação de alimentos durante a Covid-19
MAIS UMA CHACINA ANUNCIADA EM MATO GROSSO
Ações do estado de MT contra territórios tradicionais são derrubadas no STF. Quilombolas e indígenas manifestam-se em Brasília e em Cuiabá.
O Brasil é quilombola! Nenhum quilombo a menos!
Nossa história não começa em 1988! Marco Temporal não!
Indígenas da Bacia do Teles Pires se mobilizam, em Brasília, por seus direitos frente a empreendimentos hidrelétricos
Formad recomenda modelos de regularização ambiental adaptados à realidade da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais.
Regularização ambiental da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais no centro do debateChina e Rússia proíbem produção de transgênicos em seus territórios
Nota de repúdio e denúncia ao assassinato de lideranças do campo em MT
Pantanal por inteiro, não pela metade
ICMS Ecológico: O potencial de um imposto
Dois casos sérios de agrocombustiveis