Agrotóxicos e Saúde

SOJA INSUSTENTÁVEL!

NOTA PÚBLICA DO FORMAD

Por: Secretaria Executiva do Formad
De Cuiabá

NOTA DE REPÚDIO

O Fórum Mato-grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento, Formad, vem a público manifestar seu profundo pesar quanto à assinatura do Acordo entre o Mercado Europeu e os produtores de soja de Mato Grosso. Nossa contrariedade se baseia em princípios basilares:

  1. Não há nenhum indicador confiável, sequer razoável, que demonstre a sustentabilidade da soja mato-grossense em nenhum dos três pilares do desenvolvimento sustentável (ecologia, sociedade e economia), notadamente quando a monocultura do estado:
    1. Contamina solo, água e flora apresentando índices irracionais do uso de agrotóxicos, ferindo de morte adimensão ecológica;
    2. A Bacia do Rio Paraguai já se encontra comprometida em função do lançamento de agrotóxicos e desmatamento, assoreando as cabeceiras dos rios tributários do pantanal.
  2. Esta contaminação tem consequências largamente estudadas e denunciadas por pesquisadores de renome nacional e internacional, onde se apresentam contaminações do leite materno, inclusive, com consequências negativas para a dimensão socioambiental:
    1. O estado de Mato Grosso é o campeão no uso de agrotóxicos: cada brasileiro consome em média 5,2 litros de agrotóxicos. Em Mato Grosso este número é de 40 litros por pessoa.
    2. As pesquisas sobre saúde indicam que a Bacia do Alto Paraguai (BAP) tem sofrido intensa contaminação por 2,4-D;
    3. Em 2016 o Instituto Nacional do Câncer se posicionou contrariamente às práticas atuais de utilização de agrotóxicos, pois a exposição crônica a agrotóxicos está ligada a infertilidade, impotência, abortos, malformações, neurotoxicidade, desregulação hormonal, efeitos sobre o sistema imune e câncer;
  3. A manutenção tecnificada de larga escala do agronegócio não é capaz de gerar empregosna proporção de sua propalada contribuição na balança comercial;
    1. Além de ser dependente de agrotóxicos não sobreviveria sem os atuais subsídios governamentais;
    2. Em 2016 foram 14,3 bilhões de reais em crédito rural, o que revela fragilidade comercial e baixa sustentabilidade econômica numa perspectiva internacional;
    3. Apenas no primeiro semestre de 2017 já somam 8,6 bilhões de reais.
  4. Gera concentração fundiária e de renda impactando negativamente a dimensão econômica e social. Veja-se que 70% o território mato-grossense pertence a 10% dos proprietários rurais:
    1. Pior ainda! Destes 11 mil proprietários, 300 famílias dominam o mercado;
    2. São mais de 9 milhões de hectares de plantio de soja com alta demanda energética para secagem dos grãos;
    3. Demanda por modais de transporte que oneram o Estado, populações e os ecossistemas locais.

Sendo assim, questionamos frontalmente: baseados em quais metodologias e a partir de quais indicadores a União Europeia é capaz de afirmar categoricamente que o agronegócio mato-grossense é sustentável? Se as pessoas da União Europeia não são expostas à carga de agrotóxicos porque nós devemos ser? Portanto, o que há de sustentável nesta relação?                      

PARA SABER MAIS ACESSE:

http://www.formad.org.br/agrotoxicos-e-saude

https://www.abrasco.org.br/site/noticias/movimentos-sociais/consulta_agrotoxico24d_anvisa/18427/

http://www.canalrural.com.br/noticias/agricultura/transgenicos-resistentes-agrotoxico-24-d-podem-ser-liberados-pais-25514

http://www4.planalto.gov.br/consea/comunicacao/noticias/2016/estudos-apontam-relacao-entre-o-consumo-de-agrotoxicos-e-o-cancer

http://www.imea.com.br/upload/pdf/arquivos/AgroMT_Outlook_2022.pdf